No ar

Fábio José

Campeiro da Noite

20:00 - 23:00 com Fábio José

No ar - Campeiro da Noite Ouça ao vivo

  • WHATS

BRINQUEDOS, BRINCADEIRAS e PASSA TEMPOS - 02

BRINQUEDOS,  BRINCADEIRAS e PASSA TEMPOS - 02

 

7 (sete) – 70 (setenta) tem o intuito de mostrar, descrever e rememorar de como se vivia ou o que e como se fazia há 70 (setenta) anos atrás e podermos comparar como nos portamos, agimos e vivemos atualmente, a evolução e mudanças com suas vantagens e desvantagens.
Neste espaço vamos descrever como se vivia e como se brincava no interior e, até nos vilarejos e pequenas cidades. A comparação com a evolução de como se vive e quais são as brincadeiras ou passa tempo de hoje, fica por conta do caro leitor.
Para não se tornar muito extenso dividimos em 3 capítulos: Brincadeiras e ou Passa Tempo de MENINOS, de MENINAS e MISTO (meninos e meninas juntos e misturados).
Já recordamos algumas brincadeiras e passa tempo dos MENINOS e também das MENINAS e hoje vamos recordar de algumas Brincadeiras ou Passa Tempo dos MENINOS e MENINAS, considerado como MISTO, ou seja, MENINOS E MENINAS juntos e misturados, senão vejamos:

MENINOS e MENINAS

- ESCONDE – ESCONDE – De livre vontade ou a escolha do grupo, um menino e uma menina, em um lugar pré-determinado, denominado de CASA, ficavam virados com o rosto coberto neste lugar e de olhos vendados contavam até certo número acordado entre o grupo. Enquanto isso, o restante do grupo, iam se esconder, sempre dentro de um perímetro acertado no grupo. Após encerrada a contagem, os dois saiam a procura dos escondidos e uma vez avistado alguém deveria correr até a CASA e bater, tanto os contadores como os que haviam se escondido e quem batesse contava pontos, isto até ser encontrado o último que tinha se escondido. Nunca se chegava a uma conclusão de quem seriam os ganhadores ou os perdedores, os pontos eram contados para o casal contador e ou os que tinham se escondido. O certo é que nunca presenciei alguma discussão com relação a isso.

- PASSA ANEL – Consistia em ficar sentados no chão em círculo, alternado um menino e uma menina. Alguém de posse de um anel, geralmente quem era mais exibido(a), iniciava a brincadeira que, primeiro, indicava alguém, do sexo oposto, para ficar no centro do círculo e com as mãos juntas, ia passando de um a um, do primeiro ao último, e que todos estavam de mãos juntas, como se estivessem rezando, e com alguém ela deixava o anel. Após terminar de passar o anel, quem estivesse no centro do círculo deveria adivinhar com quem estava o anel, se acertasse era dado um castigo para quem tinha passado o anel, caso contrário, o castigo era dado para quem não tinha adivinhado com quem estava o anel. Os castigos eram simples, como dançar com alguém, dar um abraço, dar pulos, correr, assobiar, etc., nada muito constrangedor ou difícil. A brincadeira continuava iniciando com quem estava o anel e no centro ficava a primeira pessoa a direita de quem tinha recebido o anel.

- PEGA PEGA – O grupo escolhia uma ou duas pessoas, conforme o número de participantes e, estes, era(m) denominado(s) de PEGADOR(ES). Era demarcado um território onde se podia correr para escapar do(s) pegador(es), que por sua vez este(s) corriam atrás e, se encostasse em alguém, passava a ser um(a) novo(a) pegador(a). Não havia a marcação de pontos e, também, não existiam ganhador(a) ou perdedor(a), apenas valia como divertimento. A brincadeira acabava quando todos(as) estavam muito cansados(as). As vezes alguém saia com algum arranhão, mas, com certeza, bem satisfeitos com a brincadeira e a noite dormiam o sono dos anjos.

- CAÇADOR – Era demarcado um campo, hoje se compararia a uma quadra da Futsal. Dois, considerados melhores, tiravam PAR ou IMPAR e iam escolhendo , de um em um, o seu time. Isto feito uns ficavam na quadra, cada time na sua, e outros atrás da quadra adversária. A brincadeira consistia, de posse de uma bola, arremessar contra o time adversário, que estivesse dentro da quadra e acertar em alguém e a bola cair que, neste caso este seria considerado morto, tinha que sair da quadra e passaria na parte detrás e só poderia arremessar a bola contra o adversário. Quando a bola era arremessada contra alguém e, este, a encaixasse não era considerado morto, ele podia arremessar contra o seu adversário. Perdia o time que ficasse sem nenhum VIVO, isto é, sem nenhum ter sido alvejado com a bola pelo adversário.

- DANÇA MENINA TÃO GALANTE – A turma de meninas e meninos faziam um círculo, alternadamente, dispostos de uma menina e um menino e ficando alguém no centro, iniciando, sempre, com uma menina. Esta por sua vez iniciava correndo em redor do interior do círculo, imitando estar dançando e todos cantavam: “HÓ MENINA TÃO GALANTE TE CONVIDO PARA DANÇAR, PARA DAR MEIA VOLTA, VOLTA E MEIA VAMOS DAR “, nisto ela convidava alguém do sexo oposto e enganchados pelo braço, davam a volta e meia ao redor imitando uma dança. Daí era a vez do menino que deveria repetir o gesto e assim se ia alternando, menina e menino. Era a oportunidade de a menina convidar para dançar quem ela estivesse paquerando e da mesma forma acontecia com os meninos, podia ser ali o início de um namoro futuro.

- CONTAR ESTÓRIAS – Esta brincadeira não era tão habitual mas, ela podia acontecer nos domingos de chuva. As demais brincadeiras de MENINOS, de MENINAS ou de JUNTOS E MISTURADOS não podiam realizadas, porque eram ao ar livre, se reuniam na casa de um colega e depois da mamãe, ter saturado a todos, com pipoca e mate doce, às vezes, se resolvia em iniciar esta brincadeira de CONTAR ESTÓRIAS. Aquela(e) mais destacada(o) ou menos tímida(o) iniciava a Contação de estórias que, geralmente, tinha ouvido contar pela sua avó, inúmeras vezes. Algumas eram estórias de, até, se arrepiar de medo e outras eram, por vezes, engraçadas. Depois de algumas estórias contadas, a mamãe anfitriã, alertava para o horário e cada qual, sem protestar, agradecia dava adeus e rumava para sua casa.

PARA REFLETIR: Nos tempos atuais quais as BRINCADEIRAS ou PASSA TEMPO, os MENINOS, as MENINAS, separados ou juntos praticam? Que estórias são contadas pelas Avós ou Pais? QUANTO TEMPO LIVRE AS CRIANÇAS TÊM PARA BRINCAR ou por outro lado QUANTO TEMPO OS PAIS DESTINAM AOS FILHOS PARA BRINCAR?

PENSEMOS NISSO, POIS, BARRO E ARRANHÕES, PEQUENAS CONTUSÕES, NÃO É SINONIMO DE DOENÇA, MAS AO CONTRÁRIO, DE MUITA SAÚDE. 

 


Publicado por: Douglas Varela Data: 14/07/2018 08:56

Fotos




Principais Notícias

Publicado em 25/03/2019 18:41 por Marines Delazari Varela

Colisão traseira envolvendo carro e duas motos deixa três feridos na Cidade Alta

Policiais e Bombeiros militares atenderam um acidente de trânsito no final da tarde desta segunda-feira, dia 25, no [...]

Publicado em 25/03/2019 15:29 por Marines Delazari Varela

Diocese de Joaçaba realiza Jornada de Comunicação

Com o objetivo de fortalecer e ampliar a atuação da Pastoral da Comunicação (PASCOM), a Diocese de Joaçaba [...]

Publicado em 25/03/2019 13:28 por Marlo Matielo

Câmara de Vereadores de Ouro encerra nesta noite o ciclo de sessões do mês de março

A Câmara de Vereadores do município de Ouro conclui na noite desta segunda-feira, dia 25, o ciclo de sessões [...]

Outras notícias

Publicado em 23/03/2019 13:51

Iniciaram as visitas da 13ª edição do Concurso de Redação do Consórcio Machadinho

Na última quinta-feira (21) foram realizadas as primeiras visitas de escolares [...]

Publicado em 22/03/2019 19:32

EMPRESAS DEVERIAS SE PREOCUPAR MAIS COM O FINANCEIRO DE SEUS COLABORADORES

Quando o colaborador de uma empresa está passando por dificuldades [...]

Publicado em 22/03/2019 19:04

OS DESAFIOS DO EMPREENDEDOR

Há um livro que todo empreendedor precisa ler com bastante atenção: “Do [...]

Publicado em 22/03/2019 19:02

A HISTÓRIA VIVE!

Em 1988, quando lecionava nas escolas Estaduais Mater Dolorum e Belisário [...]

Publicado em 22/03/2019 19:01

“SERÁS LIBERTADO PELO DIREITO E PELA JUSTIÇA” (IS 1,27).

A aprendizagem pode ser intuitiva, familiar ou acadêmica (escolar). Três [...]

Publicado em 22/03/2019 18:34

Bispo Dom Mário presente no Cerco de Jericó

A noite de quinta-feira (20) foi especial para as crianças, na semana em que a [...]